top of page

Precisamos conversar mais sobre Alzheimer!




O Alzheimer é uma doença neurológica progressiva e degenerativa que afeta o cérebro, causando problemas de memória, pensamento e comportamento. Geralmente, é associado ao envelhecimento e é a forma mais comum de demência.

No cérebro de uma pessoa com Alzheimer, ocorrem mudanças prejudiciais que afetam a comunicação entre as células nervosas e levam à perda gradual de função cerebral. Isso resulta em sintomas como esquecimento de informações recentes, dificuldade em encontrar palavras, confusão, dificuldade em realizar tarefas cotidianas e mudanças de humor e comportamento.

À medida que a doença progride, os sintomas pioram e podem interferir significativamente na capacidade da pessoa de realizar atividades diárias e interagir com os outros. Em estágios avançados, o Alzheimer pode afetar a capacidade de engolir, caminhar e realizar funções básicas do corpo.

Embora a causa exata do Alzheimer ainda não seja completamente compreendida, sabe-se que fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida podem desempenhar um papel no seu desenvolvimento. Não existe cura para o Alzheimer atualmente, mas existem tratamentos e estratégias de manejo que podem ajudar a controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa afetada e de seus cuidadores e é exatamente ai que entra a aromaterapia.


Os óleos essenciais têm sido explorados como uma abordagem complementar no manejo dos sintomas do Alzheimer. No entanto, é importante observar que os óleos essenciais não são considerados tratamentos primários para a doença de Alzheimer, mas podem oferecer benefícios adicionais como parte de uma abordagem integrativa. Assim como:

  1. Redução do Estresse e Ansiedade: Alguns estudos e relatos anedóticos sugerem que certos óleos essenciais, como lavanda e camomila, podem ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade em pessoas com Alzheimer. Esses óleos podem ser utilizados em aromaterapia, proporcionando um ambiente mais relaxante e calmante.

  2. Melhoria do Sono: A insônia é comum em pacientes com Alzheimer. Óleos essenciais como lavanda e bergamota têm sido estudados por seus potenciais efeitos relaxantes que podem promover um sono mais tranquilo e profundo.

  3. Estimulação Cognitiva: Alguns óleos essenciais, como alecrim e hortelã-pimenta, são conhecidos por suas propriedades estimulantes mentais. Estudos preliminares sugerem que a inalação desses óleos essenciais pode melhorar a clareza mental e a função cognitiva em pessoas com Alzheimer em estágios iniciais.

  4. Redução da Agitação e Agressividade: Alguns óleos essenciais, como laranja e sândalo, têm sido estudados por seus potenciais efeitos calmantes e redutores de agitação. A aromaterapia com esses óleos pode ajudar a diminuir comportamentos agressivos e agitados em pacientes com Alzheimer.

  5. Melhoria do Humor: Certos óleos essenciais, como rosa e ylang-ylang, são conhecidos por suas propriedades antidepressivas e podem ajudar a melhorar o humor e a sensação de bem-estar em pessoas com Alzheimer.


Alguns estudos já estão sendo feitos e têm obtido resultados promissores! Estudo de Revisão (2017): Uma revisão publicada na revista Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine analisou vários estudos sobre o uso de aromaterapia, incluindo óleos essenciais, no tratamento de sintomas comportamentais e psicológicos do Alzheimer. Os autores concluíram que a aromaterapia pode ser uma intervenção útil para melhorar o humor, reduzir a agitação e melhorar a qualidade de vida em pacientes com Alzheimer.

  1. Estudo Piloto (2018): Um estudo piloto publicado no International Journal of Geriatric Psychiatry investigou os efeitos da aromaterapia com óleo essencial de lavanda na qualidade do sono em pacientes com Alzheimer. Os resultados indicaram uma melhoria significativa na qualidade do sono dos participantes após a intervenção com aromaterapia.

  2. Estudo de Revisão (2019): Uma revisão publicada na revista Frontiers in Pharmacology examinou a evidência científica disponível sobre o uso de óleos essenciais no tratamento de distúrbios neurodegenerativos, incluindo o Alzheimer. Embora os resultados sejam promissores em termos de atividade antioxidante e anti-inflamatória dos óleos essenciais, os autores destacaram a necessidade de mais pesquisas clínicas para confirmar seus benefícios terapêuticos específicos para o Alzheimer.

  3. Estudo Experimental (2020): Um estudo experimental publicado no Journal of Alzheimer's Disease investigou os efeitos do óleo essencial de alecrim na memória e na atividade antioxidante em ratos com doença de Alzheimer induzida. Os resultados sugeriram que o óleo essencial de alecrim pode ter efeitos positivos na melhoria da memória e na redução do estresse oxidativo associado ao Alzheimer.

  4. Estudo Clínico em Andamento (2021): Um ensaio clínico randomizado em andamento está avaliando os efeitos da aromaterapia com óleo essencial de hortelã-pimenta na cognição e no comportamento de pacientes com Alzheimer. Os resultados deste estudo podem fornecer mais insights sobre o potencial terapêutico dos óleos essenciais para o Alzheimer. Para aqueles que enfrentam o desafio de lidar com o Alzheimer, os óleos essenciais oferecem uma abordagem natural e não invasiva para ajudar a diminuir os sintomas associados à doença. Vale lembrar que a utilização como forma de prevenção também tem sido muito difundida. Quer saber mais e saber como utilizar a aromaterapia? Agenda uma consulta www.vanessapierantoni.com



*O diagnóstico precoce é fundamental para ajudar a gerenciar a doença de forma eficaz. Se você ou um ente querido estiver apresentando sinais de problemas de memória ou cognição, é importante procurar orientação médica para avaliação e diagnóstico adequados. O suporte médico, juntamente com o apoio emocional e prático da família e de cuidadores, é essencial para enfrentar os desafios do Alzheimer e manter a melhor qualidade de vida possível.

6 visualizações0 comentário

Opmerkingen


bottom of page